segunda-feira, 26 de abril de 2010

Abril de sim, Abril de não

(outro poema de Abril, mais apropriado ao" dia seguinte" - o(muito) que há por fazer)

Eu vi Abril por fora e Abril por dentro
vi o Abril que foi e Abril de agora
eu vi Abril em festa e Abril lamento
Abril como quem ri como quem chora.
Eu vi chorar Abril e Abril partir
vi o Abril de sim e Abril de não
Abril que já não é Abril por vir
e como tudo o mais contradição.
Vi o Abril que ganha e Abril que perde
Abril que foi Abril e o que não foi
eu vi Abril de ser e de não ser.
Abril de Abril vestido (Abril tão verde)
Abril de Abril despido (Abril que dói)
Abril já feito. E ainda por fazer

(Manuel Alegre)




2 comentários:

  1. Muito já feito mas também muito por fazer...
    O mundo não pára!

    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Muitíssimo ainda por fazer e tão pouca vontade...

    ResponderEliminar